Você sabe o que é compra a fixar?

Se você é um empreendedor que almeja uma contabilidade mais assertiva para os seus negócios, precisa estar instruído acerca de algumas modalidades de compra e venda comuns de serem utilizadas em operações comerciais.

Nesse ínterim, chegamos à questão que norteia esse artigo: você sabe o que é compra a fixar?

Caso este termo seja estranho para você ou ainda provoque confusão ao seu entendimento, acompanhe aqui o conceito e exemplos práticos de como essa modalidade de compra funciona.

O que é Compra a fixar?

O primeiro passo é entender o conceito desse tipo de operação para, então, analisar como acontece na prática.

Assim, a modalidade de compra a fixar é: operação na qual a venda de um produto é contratada com a possibilidade de haver variações no valor, conforme o mercado.

Em suma, o vendedor é quem determina quando o preço será fixado e o preço efetivo será o valor de venda de acordo com o mercado ativo, na data em que o valor fixado for estabelecido.

Ademais, espera-se que no contrato fique definido o prazo de entrega do produto comercializado, assim como, um prazo para que o preço seja fixado.

Esse tem sido um tema bastante relevante, principalmente para as cooperativas agropecuárias, por causa da falta de interesse dos produtores em faturar o volume depositado nos seus armazéns.

Por isso, elas utilizam a compra a fixar visando à liberação do espaço nos armazéns para o recebimento da próxima safra, além de evitar exposições a variações de preço.

Reconhecimento na receita

A partir da definição do contrato, a cooperativa faz a entrega da quantidade de produto comercializada ao cliente, sendo que o preço final ainda será fixado no futuro. Logo, emitem-se as notas fiscais com um valor simbólico, normalmente inferior ao valor de venda.

Para que seja reconhecido na receita, se obedece às determinações do item 9 da Norma Brasileira de Contabilidade (NBC) TG 47 do CFC, e é sugerida esse tipo de contabilização:

1. Pelo faturamento:

C – Receita – vendas sujeitas a variação de preço

D – Créditos de venda com preço a fixar

2. Apropriação do custo:

C- Estoques de produto agrícola

D – CPV – produto agrícola

Ao se referir ao custo, a cooperativa pode não ter ainda o custo definitivo formado, assim como o valor definitivo da receita, porém ambos podem ser cotados no mercado ativo a qualquer instante.

Ademais, já se sabe que a maioria das cooperativas trata esta operação como sendo de depósito e isso pode resultar numa dificuldade de entendimento entre a contabilidade e o comercial, sendo essa uma situação que exige cuidados especiais.

O que deve ser feito após o reconhecimento?

Outro passo importante a ser feito nessa operação de compra é a mensuração de crédito pelo seu valor justo, após o reconhecimento inicial.

Portanto, torna-se essencial manter o controle auxiliar que contém as informações do pedido entregue referente a cada contrato e, conforme previsto no item 4.1.5 da NBC TG 48 do CFC, a variação ocorrida precisa ser reconhecida no resultado em conta específica dentre as receitas.

Caso a atualização da receita não seja procedida, o custo apropriado ficará superior ao valor simbólico que consta na nota fiscal, resultando numa margem de comercialização negativa, por isso é recomendada a atualização da receita, a cada mês, a partir dos lançamentos a seguir:

• C/D – Receita – vendas sujeitas a variação de preço

• D/C – Créditos de venda com preço a fixa

Agora que você já sabe o que é compra a fixar e como ela acontece na prática, temos muitas outras orientações acerca da gestão do seu negócio que vão te ajudar a tomar decisões mais assertivas. Acesse a nossa área de contato para saber mais!